Siga o Jornal de Brasília

Torcida

Retrospectiva 2018: Botafogo acredita até o fim e levanta taça

Matheus Garzon
redacao@grupojbr.com

Com muito drama, emoção e gol no último lance da partida, o Botafogo derrotou o Vasco por 1 x 0, no Maracanã, levou a decisão para os pênaltis e, com atuação decisiva do goleiro paraguaio Gatito Fernández, que defendeu duas cobranças, encerrou um jejum de cinco anos sem título do Campeonato Carioca.

Em campo, o jogo foi nervoso, truncado e com poucas chances de gol, muito em função da boa marcação vascaína, que conseguiu segurar as investidas botafoguenses mesmo após ficar com um a menos no final do primeiro tempo, quando Fabrício foi expulso por entrada dura em Luiz Fernando, mas não contava com o faro de artilheiro do zagueiro Joel Carli.

Com direito a muito drama e emoção, o argentino foi ao ataque e, em lance de oportunismo, pegou rebote dentro da área e chutou rasteiro no meio do gol para marcar aos 49 minutos o gol que levou a decisão às penalidades.
Nas cobranças, brilhou a estrela de Gatito Fernández, que viu o seu companheiro Rodrigo Pimpão parar no uruguaio Martín Silva, mas defendeu as cobranças de Werley e Henrique e saiu em direção à torcida para comemorar o 21º título estadual do Botafogo. Com 34 taças, o Flamengo é o maior campeão, seguido por Fluminense, com 31, e Vasco, com 24 troféus.

Foi o primeiro título da carreira do técnico Alberto Valentim que, curiosamente, assumiu o comando do Vasco no fim de agosto.

Após a partida, os jogadores comemoraram muito o título estadual em cima do Vasco. O goleiro Jefferson, reserva no clássico, era um dos mais emocionados. “Quero agradecer pelo respeito que sempre tiveram por mim e pelo Botafogo. Botafogo é paixão e vocês demonstraram isso. Estou muito emocionado mesmo. Quero agradecer a vocês pelo título no meu último ano de carreira”, disse o arqueiro.

Homenagem

O volante João Paulo, de muletas, foi homenageado pelo técnico Alberto Valentim no vestiário alvinegro e agradeceu o carinho de todo o grupo. “Assim eu choro. Quem estava lá em cima, de fora, deu para ver do primeiro ao último minuto sangue nos olhos. Tenho muito orgulho de fazer parte desse grupo”, disse o jogador que quebrou a perna após entrada violenta do vascaíno Rildo, ainda na Taça Rio.


Paulistão: Cássio brilha e Timão é campeão de novo

O Corinthians se tornou campeão paulista com cara de Corinthians. O Timão não tremeu no Allianz Parque lotado, domou o ambiente de favoritismo do Palmeiras e chegou ao segundo título estadual consecutivo graças à frieza e ao controle de quem venceu por 1 x 0 no tempo normal, com um gol no primeiro minuto, e confirmou a conquista nos pênaltis, com vitória por 4 x 3. Revoltado, o Alviverde recusou o vice.

A final teve um roteiro como a Fiel gosta. Foi preciso sofrer, aguentar e ser humilde diante de um rival favorito que ganhou por 1 x 0 em Itaquera o jogo de ida. O herói nas penalidades foi Cássio, que pegou as cobranças de Dudu e Lucas Lima, enquanto Danilo, Romero, Lucca e, por fim, Maycon, confirmaram o título de um clube.


Campeonato Mineiro: Cruzeiro espanta a crise e levanta a taça

A festa do Campeonato Mineiro foi azul. No Mineirão, o Cruzeiro derrotou o Atlético-MG por 2 x 0, reverteu a vantagem sobre o maior rival e faturou o seu 37º estadual, mas continuou ainda atrás do Galo, que soma 44 títulos.

A equipe celeste não era campeã desde 2014. O uruguaio Arrascaeta e Thiago Neves marcaram os gols da vitória diante de 49.906 pagantes.

O Cruzeiro havia perdido o primeiro jogo por 3 x 1, mas por ter vencido por dois gols de diferença, igualou o agregado e ficou com o título por ter feito melhor campanha. Na primeira fase, a Raposa terminou 11 pontos na frente do Galo.


Candangão: campeão candango, Leão já pensa em 2019

O Sobradinho voltou a levantar a taça do Campeonato Candango após 31 anos. O Leão da Serra bateu o Brasiliense por 1 x 0, no Mané Garrincha, com um gol de João Manoel, e levou a decisão para os pênaltis. Aí brilhou a estrela de Michael. O goleiro fez três defesas e deu a vitória e o título ao time do jovem técnico Victor Santana, de apenas 35 anos.

“Só tenho a agradecer a Deus pelo título. As vezes temos críticas, mas agradeço à toda diretoria do Sobradinho pela confiança que depositou no meu trabalho” disse o treinador Victor Santana.

Com o título do Candangão, o ano de 2018 acaba para o Sobradinho. O Leão da Serra vai se preparar para ter um calendário cheio em 2019, com a disputa do estadual, Copa do Brasil, Copa Verde e Série D do Brasileirão.

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade
Publicidade
  • CHARGE DO DIA

Mais lidas