Restaurante Dom Francisco revela como construiu seu famoso cardápio

Dom Francisco

Com 28 anos de história, o Dom Francisco Restaurante é uma grife da boa gastronomia na capital do país. Tendo à frente o Chef Francisco Ansiliero, a casa é quase um ponto obrigatório para quem quer conhecer o melhor de Brasília. Pratos tradicionalíssimos, como os famosos tambaqui, bacalhau e picanha, tornam os almoços e jantares dos brasilienses muito mais apetitosos. A história do Dom Francisco tem início em 22 de julho de 1988, quando foi inaugurada a primeira casa, na 402 sul.

"Estar entre os premiados sempre surte  efeito. É uma honra!  Francisco Ansiliero Chef  e proprietário
“Estar entre os premiados sempre surte efeito. É uma honra!”
Francisco Ansiliero Chef e proprietário

Para o chef Francisco Ansiliero, o crescimento da empresa se deve a qualidade dos serviços prestados aos clientes. O chef ressalta também a importância da mídia como parceira e lembra o prestígio em poder participar de uma premiação de tamanha relevância. “Estar entre os premiados sempre surte um efeito na cabeça das pessoas. É uma honra! Estar na mídia é muito importante, ainda mais na Revista Top of Mind 2016!” diz.

O chef conta que, na época, o vinho não era comum à mesa, pois era caro. Ele teve a preocupação de ir atrás de bons rótulos a preços que incentivassem o cliente a acompanhar a comida com a bebida. Também não eram comuns os azeites e vinagres de boa qualidade. Francisco começou a comprar e a ensinar as pessoas a usar os produtos.

Para construir um cardápio com história e cultura, Francisco viajou Brasil afora, e o menu da casa reflete suas experiências na gastronomia. Da infância sulista, há a picanha e derivações do churrasco. Da convivência com os portugueses, em São Paulo, o bacalhau. E da amazônia, o tambaqui. No início, esses eram os três pratos básicos. Hoje, o cardápio da casa é bem variado e mantém uma das maiores cartas de vinhos do país.

E, por falar em vinho, só a adega da Asbac reúne 18 mil garrafas, distribuídas em 1400 rótulos de 25 países. Na realidade, a casa possui três adegas. Uma específica para rótulos de vinho tinto do novo mundo. Outra para tintos do velho mundo – França, Portugal, Espanha e Itália. E outra exclusiva para brancos e espumantes dos 25 países. A separação das adegas é devido à diferença de temperatura que os vinhos precisam ter. Os brancos ficam climatizados a 5 graus, temperatura ideal para o consumo.

Dentre os vinhos, há três rótulos com a marca Dom Francisco: o espanhol Marques de Tomares Crianza, da vinícola Marques de Tomares e os italianos Barolo e Barbera d’Alba Sovrana, ambos da vinícola Beni di Batasiolo , em Piemonte.
Francisco destaca, como item número um de qualquer cozinha, o produto de qualidade. Além disso, ele garante que não existe negócio próspero sem dedicação e seriedade. “Quem senta no restaurante confia que você vai pôr à mesa algo que seja útil, agradável, saudável, benéfico”, finaliza.

Cadastre-se para receber as notícias do Jornal de Brasília.

COMPARTILHAR