Cidades.

Publicação: Terça-feira, 01/04/2014 às 07:22:01     Atualização: 01/04/2014 às 19:10:43
A+A-
2 Comentários

Corpo encontrado em matagal pode ser de professora desaparecida

Segundo informações preliminares, o namorado, suspeito do crime, foi quem ajudou a encontrar

Da Redação
redacao@jornaldebrasilia.com.br



A Polícia Civil encontrou um corpo que supostamente seria da professora Márcia Regina, de 56 anos, que estava desaparecida há 24 dias. Segundo informações preliminares, o corpo estava em um matagal, na GO-118, região de Planaltina de Goiás.

Até o momento, segundo Jorge Xavier, diretor geral da Polícia Civil do Distrito Federal, o namorado dela, Luis Carlos Pena, não confessou e não colaborou com as investigações. Ainda de acordo com Xavier, populares ajudaram a encontrar o corpo. "Os moradores da região estavam auxiliaram nas investigações desde o princípio", disse.

Em avançado estado de decomposição, a PCDF ainda não conseguiu indentificar o corpo. Serão realizados exames biológicos para verificar a identidade. 

Preso suspeito

Nessa sexta-feira (28), a Polícia Civil prendeu o namorado da professora Márcia Regina Lopes, que está desaparecida há mais de três semanas. Segundo a corporação, ele é o principal suspeito pelo desaparecimento da vítima, vista pela última vez no Parque da Cidade. Ele é suspeito de homicídio e ocultação de cadáver e vai cumprir prisão temporária na carceragem do Departamento de Delegacia Especializada (DPE).

Em uma rede social, o irmão da vítima, Ézio Tadeu, comemorou a prisão e disse que "foi mais uma etapa vencida" no caso do sumiço da irmã.

Carro é encontrado

No último sábado (22), a polícia encontrou o carro da professora Márcia Regina Lopes, 56 anos, desaparecida há 22 dias. O veículo, um Ford Ka preto, placa JHR 4074/DF, estava na quadra 2 de Sobradinho, em via pública. Segundo informações,  o automóvel estava em perfeitas condições.

A Divisão de Repressão a Sequestros encaminhou o carro para a perícia no Instituto de Criminalística. 

A professora desapareceu no último dia 9 de março. Segundo familiares, a última notícia que tiveram dela foi uma mensagem deixada em uma rede social. 

O sumiço da professora foi registrado por parentes que vieram de Formosa (GO)  para ajudar nas investigações da polícia. Márcia era professora-doutora em alfabetização do primeiro ano do Ensino Fundamental e estava prestes a completar dois anos lecionando na unidade de ensino.

A professora morava com o namorado em um apartamento em Águas Claras. Na época, a polícia esteve no local e não constatou nenhuma irregularidade ou sinais de arrombamento. O local aparentava estar bem arrumado, e a maior parte das roupas de Márcia se encontrava nos armários.

Fonte: Da redação do Jornal de Brasília

2 Comentários
ComentarComentar
jose pedro da silva
8 meses atrás
Quem um namorado desse, jamais vai precisar de inimigo. Onde pode caber tanta maldade no coração de uma pessoa, se é que gente assim possa ser chamado de gente. Com a palavra, o congresso, com suas leis frouxas. Infelizmente, o judiciário apenas cumpre o que está em vigência. mas não ele que cria as leis. O que está tremendamente ERRADO.
5 Gostei0 Não gostei
kika
8 meses atrás
Se esse monstro fosse condenado a trinta anos de cadeia e tivesse certeza que passaria esses trinta anos trancafiado, sem direito a essa porcaria de progressão de pena por isso ou aquilo, não haveria tantos assassinato neste País.
32 Gostei1 Não gostei
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Serviços.

Assinatura

Tenha seu jornal sempre na mão

Confira nossa Edição Digital

Classificados

Encontre o que você procura

Empregos

Temos um trabalho para você

Hoje temos vagas disponíveis