Siga o Jornal de Brasília

Hashtag Cinema

A bendita herança de Hitchcock para o cinema atual

“Não há terror em um estrondo, apenas na antecipação dele”, dizia Alfred Hitchcock sobre a significância do suspense, gênero cinematográfico mais associado a sua figura. Um indíviduo  do cinema mundial que deixou um espólio maravilhoso para todas as gerações. Um Pequeno Favor, que estreia na cidade nesta quinta-feira (20), é a maior prova desta herança.

Dirigido por Paul Feig, o suspense conta a história de Stephanie (Anna Kendrick), uma viúva que conhece a enigmática e poderosa Emily (Blake Lively). Após Emily desaparecer, amigos e família descobrem seus segredos mais sombrios.

Anna Kendrick e Blake Lively em Um Pequeno Favor

Este filme, realizado por um diretor de comédias americanas (Missão Madrinha de Casamento e As Bem Armadas), consegue sintetizar como poucos americanos fizeram recentemente, o estilo hitchcockiano.

O que classifica este estilo?

Intuitamente, a característica mais latente do cinema hitchcockiano é o suspense, porém quando se trata de composição de personagens, é possível identificar que o cinema de Alfred Hitchcock transcende essa barreira cinematográfica. “Ele (Hitchcock) foi o maior dominador dos meios de expressão do cinema. Foi capaz de compor uma experiência direta para o espectador”, destaca Ismail Xavier, teórico de cinema que está na cidade para o Festival de Brasília do Cinema Brasileiro.

Estes meios de expressão que Ismail destaca são os pequenos detalhes – com precisão – de produção tais como: montagem, plano, direção de arte, dentre outros. Todos bem orquestrados como o diretor de Um Pequeno Favor faz. Assim como Hitchcock, o filme utiliza todos esses adereços para compor o formato da cena: belíssimos figurinos do personagem de Blake Lively, fotografia que beira o classicismo do cinema antigo, trilha sonora que resgata elementos da arte europeia e o indispensável climáx.

Um ode ao glamour hollywoodiano com o figurino de Blake Lively. Mistério e charme em tamanhos proporcionais

Onde é visto hoje?

O cinema de Hithcock é tão amplo, que o mais simplório detalhe poderia classificar um filme como hitchcockiano, principalmente em termos técnicos. Porém, ao mesclar as camadas citadas acima (composição de cena, figurino, etc), seu cinema pode ficar mais evidente em obras de terceiros.

Outra maneira de detectar este segmento é a percepção de um cinema mais democrático. “Durante sua carreira, boa parte dela, ele fez uma grande convergência com o cinema de arte e o de indústria”, acrescenta Ismail.

Outra evidência encontrada neste lançamento. Teoricamente é um filme para o circuito comercial, mas que devido às suas referências, consegue dialogar com vários públicos, algo que Alfred Hitchcock aplaudiria de pé.

 

 

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade
Publicidade
  • CHARGE DO DIA

Mais lidas