Violonista chileno Andrés Hernández se apresenta pela primeira vez em Brasília

Instituto Cervantes traz um passeio pelos diferentes estilos flamenco com música e dança

Foto: Divulgação

Radicado em Sevilha, berço do flamenco, o violonista chileno Andrés Hernández apresenta o concerto Guaíba, no Instituto Cervantes, na próxima quarta(12), às 20h. Conhecido como Pituquete – apelido que ganhou do primeiro professor de violão -, Hernández apresenta a turnê de guitarra flamenca como reflexo dos seus 10 anos na Andaluzia. Na apresentação, um passeio pelos diferentes estilos de violão flamenco acompanhado de palmas, percussão e dança flamenca.

Acompanhado da cantora espanhola Encarna Anillo e a bailarina carioca Eliane Carvalho, além dos artistas Tatê, Raphael Cortés e Patrízia Veloso, o violonista apresenta canções próprias de “Abra”, seu último disco, e algumas inéditas de seu próximo trabalho como concertista, previsto para ser lançado ainda esse ano.

A relação de Pituquete e os demais artistas, que se apresentam com ele na turnê, com o Brasil é profunda, tanto que o show foi batizado de Guaíba, nome de uma das músicas presentes em seu próximo disco, composta em terras brasileiras. O concerto celebra com uma linguagem própria, técnica e harmônica as vivências de Pituquete e da cantora Encarna Anillo reunidas mundo afora.

“A América do Sul sempre está em meu coração e, por isso, saí também do meu violão. Além disso, o espírito indígena me inspira muito na profundidade sonora e na responsabilidade essencial que é levar meu território pelo mundo”, disse Pituquete.

Saiba mais sobre Andrés Hernández
Batizado como Pituquete por seu primeiro professor, o violonista chileno Carlos Ladermann, a carreira de Andrés Hernández como solista transcendeu os limites de seu país, o Chile, e chegou em Sevilha, capital da Andaluzia, onde nasceu o Flamenco.
No início da década de 2000, Hernández começou a tocar violão como aluno de Carlos Ladermann, em Santiago, Chile, alternando o estudo de violão flamenco e de composição na Escola Moderna de Música. Durante a década, realizou viagens à Espanha para continuar sua formação. Chegou a estudar em Barcelona nos famosos cursos de violão de Mamolo Sanlúcar, que, por sua vez, foi professor de Carlos Ledermann no anos 1980. Além disso, Pituquete fez cursos com Rafael Cañizares e Parrilla de Jerez, antes de se mudar de vez para Sevilha, em 2007.

No Chile, integrou uma geração de solistas, entre eles Daniel Muñoz Méndez, Claudio Villanueva, Francisco García Sánchez e Gustavo López. Entre suas atuações como solista está o Festival de Guitarra Flamenca de 1999, 2000, 2001 e 2003, realizado no Centro Cultural de España, e no Festival Entre Cuerdas de 2008, 2009 y 2010. Em 2002, se detacou no concerto ao lado do violonista Jorge Bravo e do cantor Francisco Delgado, junto a Orquestra Sinfônica do Chile (dirigida por David del Pino) e do Coro Sinfônico da Universidade do Chile (dirigido por Guido Minoletti e Hugo Villarroel). Naquela ocasião, na Universidade do Chile, o gurpo de Flamenco executou o drama lírico de Manuel de Falla, “La Vida Breve”, uma composição de 1905.

Em Sevilha, Pituquete ampliou sua carreira se destacando como sozinho e em grupo. Como solista lançou seus primeiros discos e em grupo se destacou ao lado de cantores gaditanos como José e Encarna Anillo, com quem apresentou espetáculos como “Palo Dulce”, “Una mirada a Iberoamérica” e “El vuelo del cante”. Em 2008, Pituquete ganhou seu primeiro prêmio para violonistas espanhóis no Concurso Internacional de Guitarra Flamenca Niño Ricardo.

Serviço
Concerto Guaíba – Andrés “Pituquete” Hernández
Quando: Quarta-feira (12), às 20h
Onde: Instituto Cervantes (Asa Sul)
Informações: 61 3242-0603 brasilia.cervantes.es
Entrada Franca

Cadastre-se para receber as notícias do Jornal de Brasília.

COMPARTILHAR