Sogro de piloto do avião da Chapecoense é internado em estado grave após aeronave cair em Luziânia

Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros

O ex-senador boliviano Roger Pinto Molina, de 58 anos, deu entrada em estado grave no Hospital de Base do Distrito Federal (HBDF) após a aeronave de pequeno porte que pilotava ter caído no Aeroclube de Luziânia (GO), neste sábado (12). Ele chegou a ficar presos às ferragens após o acidente e sofreu traumatismo craniano, trauma de face e de abdômen e parada cardiorrespiratória.

O avião prefixo PU-MON tinha parado no aeroclube de Luziânia para um rápido abastecimento e, de acordo com o Corpo de Bombeiros de Goiás, caiu logo após a decolagem, na cabeceira da pista. Ainda não há informações sobre o que poderia ter causado a queda. A Força Aérea Brasileira (FAB) investiga o caso.

Publicidade

O ex-senador Roger Pinto, que se refugiou na embaixada brasileira em La Paz em 2012 alegando perseguição política do então presidente Evo Morales, era sogro de Miguel Quiroga, piloto do avião que caiu com a delegação da Chapecoense, em novembro de 2016, na Colômbia.

Ele conseguiu asilo no Brasil em 2013, após ser acusado no governo Evo Morales por irregularidades como dano econômico ao Estado, estimados na época em US$ 1,7 milhões, em mais de 20 processos. Sua fuga para o Brasil, transportado de carro pela fronteira boliviana em Corumbá, no Mato Grosso do Sul, causou dissabores ao governo brasileiro e levou à demissão do então ministro das relações exteriores, Antônio Patriota.

Foto: Reprodução/Rede Amazônica Acre
Foto: Reprodução/Rede Amazônica Acre

Cadastre-se para receber as notícias do Jornal de Brasília.

COMPARTILHAR