Rodoviários das empresas Alternativa e Cootarde aderem a paralisação

Rodoviários das empresas Alternativa e Cootarde aderiram à greve na manhã desta terça-feira (11). O motivo também é o atraso no pagamento de salários e benefícios. As empresas atendem as regiões de Brazlândia, Santa Maria, Gama e Samambaia. Não há previsão para que os coletivos voltem às ruas. 

Na Rodoviária do Plano Piloto, os motoristas das empresas fecharam a entrada das baias dos coletivos para que nenhum veículo pirata entre. Uma confusão começou a se formar, porém a Polícia Militar conseguiu controlar os trabalhadores. A coorporação está fazendo uma fiscalização para impedir que transportes irregulares circulem no local. 

Publicidade

*Com informações de Luis Nova

Entenda o caso

Rodoviários da empresa de ônibus Pioneira paralisaram as atividades na última quinta-feira (6). Aproximadamente 3 mil funcionários cruzaram os braços e  640 ônibus pararam de circular em cidades como Santa Maria, São Sebastião, Gama, Itapoã, Paranoá, Lago Sul, Jardim Botânico e Park Way. 

De acordo com o Sindicato dos Rodoviários, o que motivou os funcionários a pararem os serviços foi o frequente atraso no pagamento do salário e benefício alimentação. A classe deveria ter recebido o pagamento do mês de outubro até a noite da ultima quarta-feira (5).  

A empresa Pioneira alega não ter recebido repasse de verbas do GDF. O DFTrans admitiu o atraso,  mas informou que repassou, nesta segunda-feira (10), R$ 3 milhões à Viação Pioneira – que ainda não foram depositados na conta dos rodoviários. A autarquia avalia como pagar os outros R$ 12 milhões, referentes aos sete meses em que o Expresso DF operou gratuitamente.

Com a paralisação, aproximadamente 250 mil passageiros ficam sem transporte. Não há previsão para que os coletivos voltem às ruas, pois a categoria admite que só vai retomar as atividades quando receberem os salários do mês de outubro. 

Cadastre-se para receber as notícias do Jornal de Brasília.

COMPARTILHAR