Polícia prende gari que estuprou menina de 11 anos em Ceilândia

Foto: Divulgação/PCDF

Raphaella Sconetto
raphaella.sconetto@jornaldebrasilia.com.br

A Polícia Civil prendeu um jovem de 19 anos pelo estupro de uma criança de 11 anos, prima da esposa dele. O gari Lucas Rafael Santos Lima foi detido em flagrante depois de fazer uma nova tentativa de conjunção carnal. A primeira relação teria ocorrido há cerca de 15 dias atrás. O caso é investigado pela 19ª DP (Ceilândia Norte).

Publicidade

A avó da garota, responsável pela criação dela, desconfiou do comportamento da neta e resolveu ir até a delegacia registrar o boletim de ocorrência. “No domingo, quando a criança foi levada em casa pelo autor, ela estava com joelhos e cotovelos ralados. A mulher questionou o que tinha acontecido e a criança acabou declarando que teria sido vítima de uma nova tentativa de abuso sexual”, detalha o delegado-chefe da 19ª DP, Fernando Fernandes.

Antes da primeira relação sexual, Lucas já teria acariciado a garota. “Ela acabou narrando a versão toda: disse que 15 dias atrás ele a levou em uma casa desabitada da região, onde, coincidentemente, já tinha uma cama e um colchão preparado por ele. E lá manteve relações sexuais”, diz o delegado.

A família não desconfiava da situação entre os dois. No entanto, a avó passou a estranhar o comportamento da garota depois que ela foi estuprada pela primeira vez. “Apesar de não serem parentes próximos, já tinha uma relação de intimidade. Ele se aproveitou disso e foi se aproximando ainda mais, fazendo carícias, passando a mão no cabelo, na perna. Segundo a criança, ele teria tentado colocá-la no colo dele”, completa.

Confissão

O gari confessa o crime, mas alega que manteve relações sexuais com a criança somente uma vez. Ele justifica, inclusive, que a garota teria procurado o rapaz. “Eu sabia que ela tinha 11 anos, mas eu não queria manter relações sexuais com ela. Ela quem me seduziu. Ela ficava pegando nas minhas partes íntimas. Eu não a obriguei a fazer nada”, afirma Lucas. Ele nega ter tentado fazer sexo com a criança no domingo.

O jovem, que tem uma filha de seis meses, afirma estar arrependido. “Se acontecesse isso com a minha filha eu não sei o que faria. Se eu pudesse voltar no tempo, não teria feito nada”, aponta. Lucas vai responder por estupro de vulnerável e ameaça, e também será autuado pela Lei Maria da Penha.

Cadastre-se para receber as notícias do Jornal de Brasília.

COMPARTILHAR