Polícia Civil indicia quatro pessoas pelo assassinato de Raphaella Noviski

Reprodução/Facebook

Jéssica Antunes
jessica.antunes@grupojbr.com

A Polícia Civil de Goiás indiciou quatro pessoas no caso da estudante morta dentro de uma escola pública em Alexânia, na Região Metropolitana do Distrito Federal. Misael Pereira Olair, 19 anos, o assassino confesso, e Davi José de Souza, 49, que forneceu transporte ao suspeito, responderão por feminicídio. Os outros dois são homens que teriam vendido a arma usada no crime.

Publicidade

O inquérito foi concluído uma semana após o crime que chocou o município goiano e será remetido à Justiça Goiana. Até então desconhecida, a origem da arma utilizada para matar Raphaella Noviski, 16 anos, foi descoberta. Na época, o suspeito não quis revelar com quem comprou a pistola por medo de ser assassinado. Hoje, Misael passará por avaliação psicológica.

“Cego de ódio”

Em interrogatório, Mizael afirmou que juntou dinheiro por um ano e comprou uma arma com a intenção de matar. Dizendo sentir ódio sem explicação, ele pulou o muro da Escola Estadual 13 de Maio e caçou a vítima, que o havia rejeitado. Ao encontrá-la em uma sala de aula, ele descarregou contra ela toda a munição que tinha no revólver calibre 32, recarregou e disparou novamente. Pelo menos 11 tiros foram desferidos em direção ao rosto da menina.

Na delegacia, ele negou arrependimento. Sem mudar o tom de voz, Misael confessou o crime e disse que a conhecia a vítima há cerca de cinco anos. No ano passado, teriam sido colegas de classe e ela teria o rejeitado. Eles moravam próximos, mas não tinham contato por redes sociais. “Eu só tava (sic) esperando preparar tudo. Aí, quando ficou pronto, eu falei: agora é só ir lá na hora que eu quiser e eu mato”, disse à delegada Rafaela Wiezel.

Após audiência de custódia que o manteve preso, Misael voltou atrás e se disse arrependido. Ao decidir pela manutenção da prisão, o juiz Leonardo Lopes dos Santos Bordini defendeu a garantia da ordem pública pela gravidade da conduta e destacou a existência da prova do crime e de indícios suficientes de autoria. Misael apareceu de olho roxo, mas negou violência policial. Ao magistrado, disse que caiu no banheiro.

Entre as cidades mais perigosas

O município goiano de Alexânia fica a menos de 90 quilômetros de Brasília e está incluído na Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno (Ride). Segundo o último Mapa da Violência, de 2016, a cidade é a 80ª com maior taxa de assassinatos por arma de fogo do País. Com cerca de 30 mil habitantes, foi registrada uma média de 52,9 casos por grupos de cem mil habitantes.

Feminicídio

Estatísticas indicam cinco espancamentos de mulheres a cada cinco minutos, que também são vítimas de um estupro a cada intervalo de 11 minutos no Brasil. Quase 200 agressões são relatadas diariamente e é um feminicídio em períodos de 90 minutos.

Feminicídio passou a constar no Código Penal como circunstância qualificadora do crime de homicídio com a Lei 13.140, aprovada em 2015. A mudança incluiu os assassinatos motivados pela condição de gênero da vítima no rol dos crimes hediondos, o que aumenta a pena de um terço até a metade da determinada ao autor do crime.

Cadastre-se para receber as notícias do Jornal de Brasília.

COMPARTILHAR