Mulher envolvida em morte de taxista na 309 Norte é presa; outros dois são identificados

Foto: Myke Sena

A mulher envolvida no crime ocorrido em um posto de combustíveis da 309 Norte, na manhã desta quinta-feira (20), já foi presa. Na ocasião, o taxista Luis Eduardo dos Santos Lobo, 34 anos, morreu ao ser baleado durante troca de tiros com os suspeitos. Dos outros três envolvidos, apenas um ainda não foi identificado.

Rafaela Teixeira de Souza, 28, compareceu à delegacia ainda pela manhã alegando que era apenas testemunha. Porém, segundo a polícia, além das versões dadas por ela não terem batido, foram encontradas várias mensagens no celular dela trocadas com os outros envolvidos, em que ela pedia para que eles fugissem.

Ela foi presa e autuada por homicídio qualificado por motivo torpe e pode pegar entre 12 a 30 anos de prisão. Ela já tinha passagens pela polícia por danos ao patrimônio público e injúria.

Falta de policiamento

  • O prefeito da 309 Norte, Alcino Almeida, contou que os moradores reclamam da falta de policiamento no local. “É costume as pessoas beberem neste local. Sempre ouvimos barulho durante a madrugada. Vamos pedir policiamento na quadra”, diz o também presidente do Conselho Comunitário de Segurança.
  • Um funcionário do posto chegou ao local no momento do tiroteio. “Quando ouvi o barulho, corri para me esconder atrás da banca de revista. As pessoas se reúnem aqui para beber e sempre tem briga, uma hora isso ia acontecer”, lamenta Moisés Lima, de 27 anos.

Acerto de contas

Uma das versões de Rafaela dizia que havia acontecido uma confusão entre os suspeitos e o taxista momentos antes, em um bar na 409 Norte. Porém, o delegado-chefe da 2ª DP, Laercio Rosseto, acredita que o crime tenha ocorrido por acerto de contas relacionado ao envolvimento com drogas. As mensagens encontradas no celular de Rafaela, de acordo com a polícia, indicam que o crime teria sido premeditado.

Segundo Rosseto, equipes da Polícia Civil estão na rua à procura dos outros envolvidos inclusive na região do Entorno, uma vez no celular de Rafaela foram encontradas mensagens pedindo que fugissem. “O crime está praticamente solucionado, é apenas questão de tempo”, afirmou o delegado.

Entre os que continuam foragidos estão o namorado de Rafaela, Eduardo Adrien Cunha Netyo, 26, e Rafael Arcanjo Gomes de Abreu, 22, conhecido como Índio, que, segundo a polícia, é um traficante que atua na região da Asa Norte. Ambos possuíam passagens pela polícia. Eduardo por tráfico de drogas, porte e Maria da Penha; e Rafael já havia sido preso três vezes por tráfico. O taxista vítima do crime também já havia sido preso três vezes e possuía dois inquéritos por Maria da Penha, tráfico de drogas e danos.

No tiroteio, pelo menos cinco disparos foram feitos por Rafael, dois por Eduardo e três pela vítima. Somente o taxista foi atingido após um dos disparos ter perfurado a janela do automóvel em que se protegia. Os suspeitos usaram uma arma de cano longo calibre .38, que se assemelha a uma carabina. Em seguida, os suspeitos entraram no carro e fugiram. O veículo foi localizado momentos depois próximo à Cidade Ocidental, no Céu Azul.

No local do crime, a polícia encontrou R$ 2.965 e uma porção de droga enrolada em uma nota de R$ 100. O momento em que os autores chegam de carro e iniciam o tiroteio foi flagrado por uma câmera de segurança.

Cadastre-se para receber as notícias do Jornal de Brasília.

COMPARTILHAR