Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Em seu último Parapan, Ádria fica feliz com as pratas

Na base do sacrifício, Ádria Santos superou dores na coxa esquerda decorrentes de uma contratura muscular e conquistou duas medalhas de prata para o Brasil no último dia de competições dos Jogos Parapan-americanos do Rio de Janeiro. A velocista foi segunda colocada nos 800 metros com o tempo de 2min36s79 e nos 200m com 26s95, sempre ao lado do guia e marido Rafael Krub.

“Os tempos ficaram abaixo do que eu posso fazer, mas foi o resultado foi muito bom. Ganhar medalhas para o Brasil sempre é bom. Ainda mais aqui, com a minha torcida, com minha mãe me assistindo da arquibancada. Foi maravilhoso”, disse a mineira de 35 anos.

Nas duas provas, a maior medalhista paraolímpica brasileira foi superada por membros da família Guilhermino. Nos 800, o ouro ficou com Sirlene Guilhermino, que cruzou a linha em 2min32s19. Já nos 200 metros, Terezinha Guilhermino subiu ao degrau mais alto do pódio com 25s16.

O recorde mundial de 24s99, que pertence à Ádria, ficou intacto. No entanto, a velocista fez questão de enaltecer a nova geração de paratletas brasileiras. “É bom que outras mulheres de valor estejam surgindo no para-atletismo nacional”, comentou Ádria, que já havia anunciado que este seria seu último Parapan.

< !-- hotwords -- >
< !--/hotwords -- >

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade
Publicidade
  • CHARGE DO DIA

Mais lidas