Siga o Jornal de Brasília

Sem Firula

Até quando?

O Palmeiras fez a sua parte. E com louvor.
Goleou o América Mineiro e ficou secando o Flamengo.
E por que apenas o rubro-negro? Porque já entrou em campo sabendo que o Internacional chegara ao seu ponto final no Brasileiro, tendo sido derrotado pelo Atlético Mineiro em Porto Alegre.
O Flamengo, com um Maracanã menos cheio do que o habitual (será que a Nação já jogou a toalha?), passou sem muitos apertos pelo Grêmio.
Agora… Bem, agora temos Palmeiras e Flamengo, ainda, lutando pelo título do Brasileiro.
Dois pontos, dois empates, nos dois últimos jogos, garantem o título para o Verdão.
Isso se o Flamengo vencer suas duas partidas finais.
Um tropeço do time carioca, seja um empate ou uma derrota, e fim de papo.
Mas… Até quando teremos essa lenga-lenga?
O curioso é saber que, para manter vivo o sonho da conquista do título, o Flamengo precisará torcer para o Vasco, no fim de semana.
Se a equipe de São Januário vencer (o que praticamente a livrará do risco do rebaixamento), poderá encurtar a distância entre Flamengo e Palmeiras para apenas dois pontos.
Aí, volto à questão de uma coluna anterior: para o torcedor rubro-negro, daria mais prazer ver seu time chegar à última rodada com chances de título (vejam que não falo em ser campeão) ou saber que o Vasco foi rebaixado de novo?

Às contas
O Corinthians voltou a perder.
Desta vez, para o Atlético Paranaense, em Curitiba.
Não fossem as vitórias do seu rival Palmeiras sobre o América Mineiro e do Cruzeiro (que lhe “tomou” a Copa do Brasil há poucos dias) sobre o Vitória, a situação na luta contra o rebaixamento voltaria a trazer preocupação para o time de Itaquera.
Os resultados de quarta-feira, porém, não foram bons (com exceção da sua derrota) apenas para o Timão.
Bahia e Fluminense, que se enfrentaram na noite desta quinta-feira, também lucraram.
O mesmo se pode falar do Sport. E do Ceará.
Olhando assim, rapidamente, e sem contar os resultados que fecharam a 36ª rodada, existe em tese uma vaga aberta para o rebaixamento.
Paraná (já sem qualquer chance de salvação), Vitória e América Mineiro (confiando na matemática), parecem preencher as outras três vagas.
Quem será o triste quarto componente do grupo?

Devida correção
A seleção brasileira não jogou em Londres, contra Camarões.
A partida que fechou o ano do time de Tite foi em Milton Keynes, cidade nos arredores, mas não é Londres.
Para facilitar o entendimento dos leitores, o colunista incorreu em erro.
E precisava retificar.

Coisa feia
Nem sei quem errou mais, se os cartolas rubro-negros ou o treinador.
A notícia de que Renato Portaluppi iria encontrar-se com representantes do Flamengo, após a partida do seu Grêmio contra a equipe carioca, na noite de quarta-feira, certamente repercutiu muito mal dentro do vestiário gaúcho.
Como é que o comandante vai trocar informações, mesmo que depois do duelo, com seu rival?
Estivesse eu no comando do Grêmio, divulgaria logo após o jogo (confirmado o tal encontro) um comunicado dizendo que o clube estava demitindo o treinador.
E sem agradecer os serviços prestados, afinal de contas ele recebeu (e bem) para isso.
Sobre os cartolas da Gávea… Bem, de lá não se pode esperar mesmo muito em termos de ética.

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade
Publicidade
  • CHARGE DO DIA

Mais lidas