Justiça aos servidores do SLU

Enquanto os policiais civis correm atrás do deputado Agaciel Maia (PR) para garantir, no orçamento, reajuste salarial para a categoria, os servidores do Serviço de Limpeza Urbana (SLU) percorrem os gabinetes em busca de apoio à reestruturação da carreira e consequente recomposição salarial. Ontem, o deputado Wasny de Roure (PT) pediu, no Plenário da Câmara Legislativa, que o governo encaminhasse à Casa o projeto de lei antes da votação da Lei Orçamentária para 2018. O petista lembrou que apresentou emenda ao orçamento para possibilitar o encaminhamento da proposta. “É uma questão de justiça a esses servidores que foram extremamente prejudicados pela redução salarial”, discursou Wasny, que quer ser candidato ao Senado no ano que vem.

Ufa para a Defensoria

Os deputados distritais foram em socorro da Defensoria Pública do DF e aprovaram, ontem, o remanejamento de cerca de R$ 6 milhões para garantir o fechamento das contas do ano. “É uma questão de justiça, a Defensoria atende 600 mil pessoas gratuitamente”, frisou Celina Leão (PPS).

Na pauta, os vetos

Senadores e deputados se reúnem hoje para votar vetos do presidente da República, Michel Temer, a matérias aprovadas pelo Poder Legislativo. São 11 na pauta. Entre eles, está o 33/17, que trata da situação de servidores concursados de cartórios que mudaram de unidade de 1988 a 1994. Temer rejeitou um artigo que também legalizava a situação de servidores destituídos de função, e não apenas os transferidos.

Anistia para grevistas

A Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara dos Deputados aprovou projeto que anistia os funcionários do sistema penitenciário do Estado de São Paulo que participaram de greve em 2014 e 2015, assim como aqueles que foram investigados, processados ou punidos em virtude desses movimentos. “O Estado de São Paulo foi desleal com a categoria. Podemos concluir isso não só pelo constante desrespeito às condições mínimas de trabalho que a unidade da Federação deveria proporcionar a seus agentes penitenciários, mas também porque as diversas promessas realizadas em negociações foram sempre postergadas ou nem sequer cumpridas”, afirmou o deputado Vinicius Carvalho (PRB-SP), relator da proposição no colegiado. Antes de ir a Plenário, o texto ainda será analisado pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Cadastre-se para receber as notícias do Jornal de Brasília.

COMPARTILHAR