Primeira e maior Árvore de Luz de final de ano

Instaladas nos centros político e econômico  do país, as Árvores de Luz são ativadas e ampliam sua luminosidade com base nas interações feitas nas redes sociais.

Brasília, 12 de dezembro – O céu das capitais federal e paulista serão iluminados por uma Árvore de Luz, concebida pelo diretor artístico Marcello Dantas, de 18 de dezembro a 09 de janeiro. As instalações compostas por poderosos canhões de luz Xenon, capazes de alcançar as nuvens, serão colocadas nos topos dos prédios do Banco do Brasil (patrocinador da ação), em Brasília, no Edifício Banco do Brasil e, em São Paulo, no Edifício Ansanah, na Avenida Paulista.

Podendo alcançar até cinco quilômetros de altura, a Árvore de Luz ficará cada dia mais iluminada, proporcional ao número de interações feitas e monitoradas nas redes sociais, com uso de hashtags de desejos de felicidade e prosperidade. Um aplicativo permitirá o acompanhamento do dia a dia da árvore, a visualização das mensagens que foram responsáveis pela ampliação da luz, captada nas redes sociais, e a interação para o envio o envio de mensagens com a #ÁrvoredeLuzBB.

Publicidade

A ideia surgiu da vontade de criar um projeto capaz de evidenciar a forma interativa como as pessoas desejam coisas boas, umas às outras, nesta época do ano. “Os sentimentos de união e confraternização são muito celebrados no final do ano e essa enorme instalação representa e traduz em tempo real, de forma clara e dinâmica, essas trocas de mensagens realizadas no campo virtual”, afirma o diretor artístico e designer, Marcello Dantas.

Aos poucos, o que só pode ser visto pela vizinhança, será visto pela cidade toda até chegar a sua forma final, na noite de Natal! A Árvore de Luz não é somente uma maneira de nos lembrar o que o Natal representa, mas carrega em seus raios luminosos o desejo de paz, amor e prosperidade compartilhado por todos.

“Esse projeto traduz a essência do Banco do Brasil: é inovador, interativo, tecnológico. A ideia é usar a tecnologia para conectar e emocionar as pessoas. É um efeito multiplicador: quanto mais as pessoas se engajarem, mais grandiosa a árvore vai ficar. É o nosso jeito de comemorar a passagem de ano com nossos clientes e sociedade, e desejar a todos um ótimo 2017”, afirmou o diretor de Marketing e Comunicação Alexandre Alves.

Sobre Marcello Dantas

0Curador, Produtor e Diretor Artístico responsável por algumas das maiores intervenções públicas no espaço urbano do Brasil. Entre elas estão as Obras de Arte pública do Oir – Outras idéias pro Rio, a Roda Gigante do Forte de Copacabana, As intervenções dos Arcos da Lapa com Brian Eno, As projeções de Ryoiji Ikeda no Arpoador no Rio, as intervenções de Luz durante a Copa do Mundo de 2010 em 10 cidades Brasileiras. As projeções de Jenny Holzer no Rio de Janeiro. A Bienal de Arte pública em Vancouver, entre muitos outros.

Marcello Dantas é um criador multidisciplinar com ampla atividade no Brasil e em outros países. Trabalha na fronteira entre a arte e a tecnologia, produzindo exposições e projetos de museus que buscam criar experiências de imersão por meio dos sentidos e da percepção. Foi diretor artístico de vários museus, no Brasil e exterior, entre os quais o Museu da Língua Portuguesa em São Paulo, o Museu do Homem Americano, na Serra da Capivara em São Raimundo Nonato, no Piauí, Museu do Caribe na Colômbia, o Ethnologisches Museum, em Berlim e a Fundación Telefónica em Buenos Aires. Dirigiu a produção, entre outras, das exposições Antes — Histórias da Pré História e Arte da África (Centro Cultural Banco do Brasil – CCBB), Invento — As Revoluções que nos inventaram e Água na Oca, ambas realizadas na Oca – Parque Ibirapuera, São Paulo. Como curador de exposições de arte, criou mostras de Bill Viola, Tunga, Peter Greenaway, Jenny Holzer, Antony Gormley, Rebecca Horn, Anish Kapoor, entre outros. Foi o diretor Artístico do Pavilhão do Brasil na Expo Shanghai 2010, e do Pavilhão do Brasil na Rio+20. É o criador do plataforma de Arte Pública Oir no Rio de Janeiro desde 2012. Dantas é também diretor de documentários — tem formação em Cinema, Televisão e Telecomunicações Interativas pela New York University.

COMPARTILHAR