Pai e filho se apresentam no Sexta Sonora

George e Rafael Duran trazem releituras de composições consagradas da música brasileira com criatividade e sensibilidade

Publicidade

 

0-1Dando continuidade a programação de março, um dos compositores e violonistas de maior sensibilidade musical da cidade, George Duran, se apresenta pela primeira vez no Sexta Sonora, no dia 17/03. Acompanhado de seu filho, o baterista Rafael Duran, de apenas 20 anos, George leva ao palco do C’est la Vie releituras de artistas já consagrados da música brasileira. Canções de Chico Buarque, Belchior, Luiz Melodia, Fagner, Gonzaguinha entre outros, fazem parte do repertório do duo, além de composições autorais. “Vamos fazer uma reinterpretação de grandes sucessos, onde coloco a minha forma de sentir cada música”, disse George.

O músico é conhecido pela criatividade em suas canções e como intérprete, por isso suas apresentações são sempre cheias de surpresas sonoras. “Minha expectativa em me apresentar no Sexta Sonora é excelente. O projeto é relevante para a cidade porque prima pela qualidade musical e trabalha com a música autoral. Como ele já tem uma história e um público com boa receptividade, tenho certeza de que as pessoas vão curtir as releituras que faremos”, disse o violonista.

George Duran tem três CDs lançados (“George Duran”, em 1998; “Limiar”, em 2002; e “Quatro Elementos”, 2007) e um DVD (“Brasileiramente”, lançado em 2010, com a participação na bateria do filho, Rafael Duran, com apenas 15 anos na época), todos autorais. Cearense, iniciou a carreira ainda em Fortaleza, onde participava de festivais locais e se apresentava em bares da agitada noite cearense. Mudou-se para Brasília na década de 1990 e logo ingressou na Escola de Música de Brasília. Lá desenvolveu seus estudos no violão clássico, popular e teoria musical. Estudou com professores do gabarito de Jane Duboc, Hélio Delmiro, Renato Vasconcellos, Paulo Bellinati, Ian Guest, Paulo André Tavares (PA), Jaime Ernest Dias e Marco Pereira.

Cadastre-se para receber as notícias do Jornal de Brasília.

COMPARTILHAR