Ceub surpreende América

A noite da quarta-feira 3 de outubro de 1973 marcava mais um jogo do Ceub, pelo Campeonato Nacional, no já demolido Pelezão – o adversário era o América-RJ. O time candango andava meio devagar, com quatro empates, quatro derrotas e só duas vitórias – diante do “pequeno” Figueirense-SC (2 x 1, em 31.08), e do “grande” Cruzeiro-MG (2 x 0, em 05.09).

A torcida até não cobrava pelas quedas diante de Coritiba (1 x 2, em 29.08), e de Guarani de Campinas (0 x 1, em 08.09), pois haviam sido fora de casa, contra times mais experientes. Mas não engolia 1 x 2 CRB-AL e 0 x 1 Nacional-AM, tinham times inferiores ou equivalentes.

Como torcedor só quer saber de vitórias, os empates com os “grandes” Botafogo (0 x 0, em 25.08) e São Paulo (0 x 0, em 26.09) nem eram comemorados. A galera preferia cobrar perdas de pontos contra Bahia (0 x 0, em 12.09) e Sport-Pe (1 x 1, em 22.09). Então, exigia a recuperação dos dois pontos perdidos no pega contra o “Diabo”.

Para um jogo noturno em um estádio onde só poderia chegar fácil quem tivesse automóvel, até que 4.890 pagantes não fora um público fraco. Mas a renda – Cr$ 42 mil, 879 cruzeiros foi. E o pior: descontadas as despesas e a cota do INPS (atual INSS), o Ceub teve Cr$ 12.609,18 retidos na então Federação Metropolitana de Futebol, devido dívidas na Casa, pois só as partidas contra Botafogo, Figueirense e Cruzeiro foram, financeiramente, positivas.

E rolou a bola contra os americanos. Estes chegaram a dominar parte do prélio, mas não haviam trazido pés calibrados a Brasília. O Ceub jogou um futebol solidário, com Alencar sendo o seu grande nome e a maior figura em campo, defendendo, atacando e brigando muito e sempre pela posse da bola. De sua parte, o América-RJ viera cauteloso.

Com Oldair Barchi errando passes, em uma má noite, o “Diabo” foi ganhado a meia-cancha e criou momentos de embaraços para o anfitrião. Mas não soube administrar isso bem isso, preferindo os contra-ataques, que não deram certo prevaleceu, pois a zaga ceubense estava muito firme.

Já que ninguém marcava gole, a torcida começou a reclamar e dizer que a preliminar – Jaguar 1 x 0 Carioca, pelo Campeonato Amador do DF – agradara mais, porque, pelo menos, tivera rede balançando. No entanto, aos 42 minutos, o meia Cláudio Garcia, campeão carioca-1969 pelo Fluminense, bateu no filó, fazendo o Ceub vencer, pela contagem mínima. Resultado justo.

Apitado por Renato Oliveira Braga-SP, o pega teve o Ceub escalado assim por João Avelino, o apelidado “71”: Rogério; Adevaldo, Cláudio Oliveira, Pedro Pradera e Rildo: Alencar, Oldair e Cláudio; Fernandinho, Juraci (Dario) e Xisté. O América-RJ, treinado por seu ex-apoiador Amaro, alinhou: Vanderlei; Cabrita, Alex, Mareco e Álvaro; Ivo Wortmann e Tadeu; Expedito, Edu Coimbra (Flecha), Sérgio Lima e Mauro (Jair Santos).

Cadastre-se para receber as notícias do Jornal de Brasília.

COMPARTILHAR